É possível viver de ser escritor(a) no Brasil?

viver de ser escritor

É possível viver de ser escritor(a) no Brasil?

Esta aí uma pergunta interessante, vocês já pararam para pensar quanto ganha um escritor ou uma escritora no Brasil e no mundo? É possível viver somente de escrever no nosso país? Existe a profissão escritor?

Só recentemente que eu consegui o tão esperado sim de uma editora e poderei realizar meu sonho, mas mesmo após publicar meu livro, tenho a ciência de que não poderei viver somente da escrita. Muitas pessoas, leitores, leitoras, pessoas que assim como eu, querem seu livro publicado e compartilhar com o mundo suas histórias não sabem muito bem o quanto um escritor (a) realmente ganha pelo seu trabalho, e confesso que eu também não sabia muito bem até decidir fazer uma pesquisa sobre o assunto.

Eu elaborei um Tutorial bastante legal sobre quanto costuma ganhar um escritor no Brasil. Nele conto as vantagens e desvantagens de cada tipo de publicação. Baixe o e-book gratuito bem aqui.

Mas afinal, quanto realmente ganha um escritor/uma escritora no Brasil?

Para primeiro respondermos essa pergunta, temos que saber o tipo de publicação e eu na minha pesquisa, consegui identificar três tipos de publicação:

  1. Quando a Editora é Comercial, ou seja, é uma editora de grande ou médio porte e decidi apostar no autor, ou seja, o escritor/a escritora não terão custo algum com a Editora.
  2. Quando a Editora é Prestadora de Serviço, geralmente editoras de médio e pequeno porte, e o autor terá de arcar com metade ou em parte com a publicação da obra.
  3. Quando o autor decide pela publicação independente e publica em plataformas de autopublicação ou faz todo o trabalho, desde o design até a contratação de uma gráfica.

  Vamos falar de cada tipo de publicação e ver quanto o autor poderá ganhar com os 3 tipos de publicação:

1 – No primeiro exemplo, a Editora Comercial, por ser de grande porte e ter milhares de livros publicados, pode apostar em autores estreantes ou desconhecidos, por acreditar na história ou por acreditar que haverá boas vendas. Geralmente, neste caso, o autor assinará um contrato de cessão de direitos e terá como retorno 10% da venda de cada livro. A editora arca todos os custos: revisão, diagramação, design, marketing, gráfica, distribuição e vendas. Já que a editora terá todo o peso econômico da produção do livro sobre si, ela ficará com a maior parte do bolo das vendas. Apesar de ser ótimo para o autor não ter que gastar nada, a porcentagem é relativamente baixa. Vamos pensar num exemplo prático:

EXEMPLO: Supondo que a Editora decida fazer a primeira edição da sua obra com tiragem de 2000 livros, cada livro vendido por R$ 30,00 cada, você ganharia R$ 3,00 por livro. Se conseguir vender os 2000 livros, em um ano (se conseguir vender todos em um ano, ainda discutirei essa questão em outra oportunidade, e acredite, é muito difícil vender 2000 livros em um ano, a não ser que você já seja famoso ou tenha milhares de seguidores no youtube, instagram, snapchat, etc, para um autor desconhecido vender 2000 livros logo em um ano é uma tarefa quase impossível). Mas vamos considerar que você conseguiu vender os 2000 livros e para cada livro vendido ganha R$ 3,00, isso dará um total de R$ 6.000,00 no ano. Dividindo R$ 6.000,00 por 12 meses, isso daria R$ 500,00 por mês, ou seja, menos que um salário mínimo. Muito pouco né?

typewriter

2 – Agora vamos pensar no exemplo da Editora que contrata com o autor e fica combinado de ambos investirem uma soma em dinheiro para publicação, digamos que o autor tenha que arcar com metade do custo da publicação. Por ser geralmente de porte médio ou até mesmo pequeno, estas editoras não costumam contratar grandes tiragens e imprimem na primeira edição de 300 a 500 livros. Vamos para um exemplo:

EXEMPLO: Uma editora de médio porte fecha contrato com um autor de 300 livros e fica decidido que este autor irá arcar com 50% do custo da produção livro. O valor fica em média uns R$ 6.000,00 somente para o autor e R$ 6.000,00 para editora, ou seja, o autor investiu R$ 6.000,00 em 300 livros. Eu já tive acesso a alguns contratos e geralmente fica decidido que autor ganha em média 10% pelos livros vendidos em livrarias, 20% pelos livros vendidos no site da editora e 40% pelos ebooks. Novamente, supondo que autor tenha um ano bom e consiga vender todos os 300 livros em um ano, somente pelo site da editora (para colocarmos aqui a maior margem de lucro, 20%). Considerando que cada livro seja vendido a R$ 30,00, como no exemplo anterior, o autor ganharia R$ 6,00 por livro vendido, multiplicando esse valor por 300, dá um total de R$ 1.800,00. O autor gastou R$ 6.000,00 para ganhar R$ 1.800,00 em um ano, dividido por 12 meses, temos a incrível quantia de R$ 150,00 por mês, quase abaixo da linha da pobreza.

escritora 3

3 – Por fim, como fazem os autores que decidem se arriscar na publicação independente. Os valores acima são geralmente o preço de mercado, que as gráficas e outros profissionais do livro cobram para tornar o livro bom para o consumidor. Vamos supor que o autor decide fazer como o anterior, mas ao invés de ir a uma editora, decide fazer tudo por conta própria, contrata um designer para fazer a capa, paga a revisão gramatical e copidesque, paga diagramação, gráfica, impressão e fica responsável pela distribuição e vendas. Além disso, o autor terá que fazer todo o marketing do próprio livro.

EXEMPLO: No exemplo passado, o custo de uma tiragem de 300 cópias foi de R$ 12.000,00. Imagine que um autor decida pela publicação independente (depois falarei mais das plataformas, nem sempre o autor terá que desembolsar logo de caro valores altíssimos, tem impressões por demanda, ou seja, só existe custo se alguém comprar o livro, mesmo assim ainda tem todo o valor da produção do livro até ele ficar pronto para publicação). Vamos supor que um autor decida pela impressão somente de 100 cópias, ainda sim terá que desembolsar R$ 4.000,00. A diferença aqui é que como o autor é independente, apesar de pagar um valor alto, também receberá uma porcentagem alta, de até 80% ou mais. Neste caso, ele ou ela pode ter o valor investido retornado, retirando os custos, é claro, para pagar uma boa capa, para fazer divulgação, para fazer marketing, para ir a eventos por conta própria para poder vender os livros, pagar viagens, e milhares de outros gastos que terá para conseguir fazer com que o livro chegue ao consumidor.

typewriter 2

Quadro comparativo

quadro comparativo

É um caminho difícil, não será nada fácil publicar e vender, porém se é um sonho, não podemos abdicar por conta das adversidades. De fato, dificilmente algum escritor se tornará rico, milionário, somente com a venda dos livros. Acho que a ideia de que a vida de um escritor é fácil vem muito do que consumimos na mídia, a profissão é bem glamourizada ou até mesmo desconhecida pela grande maioria das pessoas.O que podemos concluir destes três exemplos de publicação?

Há exemplos, e colocarei eles aqui para vocês terem uma ideia. Eu já li diversos artigos (aqui estão os links) falando a respeito dos escritores mais bem pagos do mundo, escritores que ganham valores altíssimos, vários exemplos que não representam nem 1% dos escritores e escritoras do mundo todo. Artigos e pesquisas mostrando quantos milhões Stephen King ganha com seus livros ou J. K. Rowling, uma das mulheres mais ricas do Reino Unido. Estas pessoas tem livros maravilhosos e histórias inspiradoras, eles ganham milhões com algo que amamos. É bem gratificante e inspirador ver pessoas que podem viver da escrita e compartilhar suas obras com o mundo e serem bem pagas por isso, porém, temos de ter a consciência que são casos raros.

Authors  J.K. Rowling,left, and Stephen King take questions from the media during a press conference Tuesday, Aug 1, 2006, in New York.  The authors are appearing together on August 1 and 2 to read from their books as a fundraiser for Doctors Without Borders and The Haven Foundation.   (AP Photo/Seth Wenig)
E quanto aos meros mortais como nós? Como mostrei nos exemplos acima, dificilmente alguém conseguiria viver com menos de um salário mínimo por mês, logo temos que encontrar outras profissões. Existe alguma pesquisa falando do que os escritores e escritoras brasileiras vivem?

Eu fui procurar e achei o seguinte:

Em duas pesquisas concluiu-se que a maioria das pessoas com livros publicados no Brasil e que se consideram profissionalmente como escritores tem as seguintes profissões como fonte de renda principal: oficinas literárias, jornalismo, renda familiar, atividade acadêmica, tradutor, editores, designers. A maioria das profissões estão relacionadas a pessoas que trabalham com livros no mercado editorial, são tradutores, designers, vendedores, funcionários de editoras, acadêmicos, jornalistas, pessoas que ministram palestras e oferecem oficinas, cursos de escrita criativa e workshops relacionados à profissão do mercado literário.

Contudo, viver absolutamente e 100% da venda de livros, ainda é algo reservado a casos raros, tanto no Brasil quanto fora.

Elaborei este gráfico abaixo para demonstrar em números quais sãos as principais fontes de Renda de Escritores no Brasil

grafico escritoresFonte: NAZARIAN, Santiago, 2014. Dados disponíveis em: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2014/12/1567614-pesquisa-informal-mostra-que-poucos-escritores-se-sustentam-pela-venda-de-livros-no-brasil.shtml

Como vocês podem ver, apenas 9% dos entrevistados conseguem ter como principal fonte da renda a escrita, e estes dados refletem somente a realidade de 50 escritores e escritoras entrevistados, imagine os milhares de escritores e escritoras espalhados por todo Brasil.

Quando eu pensei em pesquisar sobre isso e compartilhar com vocês, o objetivo não é desanimar ou até mesmo desmotivar o sonho de publicar. Acredito que se você tiver a oportunidade, tanto de publicar sem pagar nada ou de ter a coragem e a oportunidade de investir, faça. Não hesite ou desista por conta das adversidades, dificuldades ou por conta da negatividade ou desmotivação de outras pessoas, se vocês tiverem a oportunidade, não deixem escapar. Meu objetivo aqui é mostrar fatos que até pouco tempo atrás eu não sabia, sinceramente, eu acreditava que escritores ganhavam mais. Grande parte da minha motivação de quando comecei a escrever há 4 anos atrás foi essa glamourização do trabalho de um escritor, poder viver de compartilhar minha arte, meus sentimentos destilados em papel, infelizmente a realidade se mostrou diferente.

Ganhar pouco desmotiva? Sim, mas não me faz desistir. Se você quer viver somente da venda de livros ou da escrita, invista em uma carreira no mercado editorial, existem diversos profissionais que trabalham na concepção de um livro sem ser só o autor: há editores, revisores, tradutores, designers, agentes, críticos, diversos profissionais que trabalham com o livro.

Talvez seja difícil viver somente da publicação de livros, contudo o mercado editorial é bastante amplo e há várias profissões que lidam indiretamente com o livro até que ele chegue aos leitores e leitoras. Em sua maioria, os editores, revisores, agentes, designers, tradutores, toda esta cadeia que lida com o mercado editorial, são escritores e escritoras. Eu apresentei dados desmotivadores aqui, mostrando que são raros os casos de quem consiga viver somente da venda de livros, mas espero que isto não sirva para desmotivar você a escrever seu livro, mas para considerar novas possibilidades no mundo editorial que vão além de somente ser escritor ou ser uma escritora.

Enfim, espero que eu tenha ajudado a esclarecer a pergunta: “É possível viver de ser escritor ou escritora no Brasil?”. Eu diria que sim, aliado a uma outra profissão, tanto conectada ao mercado editorial ou tanto outras que são completamente desconexas deste mundo. Se você quer escrever seu livro e tem o sonho de ser um escritor, ser uma escritora, te aconselho fortemente a seguir seus sonhos. Sempre com os pés no chão, sabendo das reais possibilidades de ganhos financeiros, mas não se abatando diante as dificuldades que este mercado possa impor a nós escritores e escritoras.

Se você gostou ou discorda, ou tem informações que eu não coloquei aqui, ou acredita que eu apresentei dados errados, me mande uma mensagem, ficarei feliz em atualizar os dados aqui. O objetivo é sempre contribuir para a evolução profissional de jovens escritores e escritoras que sonham assim como eu e não desistem dos seus sonhos por mais loucos que possam parecer.


Tem alguma sugestão? Acredita que faltou algo no texto ou  que eu poderia melhorar? Estou aberto a sugestões e a perguntas, ficaria muito feliz em respondê-los.

Se você gostou, curta, compartilhe, deixe seu comentário e siga a Página no Face. O Selo de Bartholomeu pode ser lido de graça no WATTPAD.

Até mais pessoal, toda quinta tenho um texto novo para vocês.

facebook logoinstagram logotwitter logowattpad


Fontes:
  1. 10 escritores mais bem pagos do mundo. Disponível em: https://exame.abril.com.br/carreira/os-10-escritores-mais-bem-pagos-do-mundo/
  2. Quanto ganha um best-seller? Disponível em: http://www.publishnews.com.br/materias/2011/08/18/64705-quanto-ganha-um-escritor-bestseller
  3. Quanto vou ganhar ao publicar um livro? Disponível em: https://escrevaseulivro.com.br/quanto-vou-ganhar-publicar-livro/
  4. Quanto ganha um escritor? Disponível em: http://www.carreirasolo.org/guia-do-freela/quanto-ganha-um-escritor
  5. Salário anual de R$ 2.300,00 – pronto para ser escritor?Disponível em: http://homoliteratus.com/salario-anual-de-r-2-30000-pronto-para-ser-escritor/
  6. Pesquisa informal mostra do que vivem escritores no Brasil. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2014/12/1567614-pesquisa-informal-mostra-que-poucos-escritores-se-sustentam-pela-venda-de-livros-no-brasil.shtml
  7. Ser escritor é a profissão mais patética do Brasil. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/the-international-new-york-times/2013/12/17/ser-escritor-e-a-profissao-mais-patetica-do-brasil.htm

No Comments Yet.

Leave a comment