Como consegui publicar meu livro: um pouco da história de O Selo de Bartholomeu

Como consegui publicar meu livro: um pouco da história de O Selo de Bartholomeu

Olá pessoal, tudo bem? Então, meu nome é Fabrício e estou aqui para divulgar meu trabalho como escritor. Eu abri este site para divulgar meu trabalho e ajudar pessoas que assim como eu estão tentando aprender a serem escritores e escritoras. Ainda não me considero como um escritor profissional, irei publicar meu livro em julho de 2018, mas ainda tenho muito a aprender. E é com essa ideia de estar em constante aprendizado que resolvi gravar nas próximas semanas esses vídeos e podcasts, contando como foi o processo de escrita do meu livro até finalmente conseguir ser aprovado por uma Editora. Demorou quase 4 anos desde o início do livro até a aceitação e nesses 4 anos aprendi muito, quebrei muito a cara, me decepcionei, fui desmotivado e até mesmo desisti de ser escritor.

Meu livro será publicado no meio do ano em julho pela Editora PenDragon.

editora pendragon

Nem acredito que finalmente estou gravando um vídeo falando sobre quando meu livro será publicado. Ainda parece surreal porque eu já cheguei a desistir de ser escritor, fiquei tão decepcionado com as respostas negativas que recebia das escritoras que comecei a pensar que meu livro era ruim e minha escrita era pior ainda, foi tudo uma ilusão e eu simplesmente desisti. Posso contar um pouco desta história pra vocês depois, depende das reações das pessoas a esse post, é uma história interessante e que pode servir de motivação para vocês não desistirem.

Estou aqui para me apresentar a vocês, para vocês conhecerem um pouco da minha história e para dividir com vocês minha pequena experiência, na esperança de ajudar outros escritores e escritoras a viver este sonho que estou conseguindo realizar agora. Não acredito que eu seja melhor do que ninguém ou vou tentar vender uma fórmula mágica de publicação ou de escrita. Só vou compartilhar as minhas experiências, meus erros e acertos, para tentar ajudar quem está começando igual a a eu, para tentar não cometer os mesmos erros que cometi nesse caminho.

Tendo em mente isso e parando de enrolar, vou começar.

Bom, meu nome é Fabrício. Tenho 24 anos, acabei de terminar meu Mestrado em Ciência Política na UFG (Universidade Federal de Goiás). Eu me formei em relações internacionais na PUC de GO com bolsa e sou tão nerd quanto você possa imaginar. Moro sozinho em Goiânia com meu gato e decidi me aventurar nesse mundo da escrita. Hoje trabalho como professor de inglês e não posso me dedicar 100% a escrita.

10959725_914536308579547_6925975629564453279_nIMG_20161014_203452

Meu gato, Brito, ele foi resgatado da rua. Eu gosto muito de animais, acho que todo mundo né, eles são mais fiéis e não aprontam as merdas que nós humanos fazemos.

Sou fascinado por literatura desde o dia em que ganhei meu primeiro livro: As Crônicas de Nárnia e o Sobrinho do Mágico. É o primeiro livro da série, a história é maravilhosa, acredito que muitos já devem ter lido as crônicas de Nárnia ou visto os filmes, a história sempre me fascinou. Esse livro conta a história antes do primeiro livro que virou filme, a Feiticeira, o Leão e o Guardarroupa, é uma história maravilhosa, e pra quem se apaixonou pelos livros ou pela série por conta do filme, é fascinante descobrir a história antes da história, mostra a criação de Nárnia, o despertar da feiticeira e outros eventos. Eu recomendo bastante.

cronicas de narnia - sobrinho

Depois disso me tornei um leitor voraz dos clássicos: Tolkien, C. S. Lewis, J. K. Rowling e nunca mais parei. Sou potterhead, amo muito o mundo deHarry Potter, a história de J. K. Rowling me inspirou bastante para escrever meu livro. Gosto muito de Jogos Vorazes e costumo gostar dessas séries novas que vão surgindo (Stranger Things e Dark).

Admito que desde que entrei na faculdade meu ritmo de leitura diminuiu bastante, você tem que ler livros da faculdade, xerox e milhares de xerox, você praticamente tem que vender um rim pra pagar todas as xerox da faculdade, quem está ou fez sabe do que estou falando. Se você vai entrar ou está fazendo o Enem, já vai juntando as moedinhas que é um dinheiro bom que você vai gastar nessa história ai.

xerox meme

Desde as minhas primeiras aulas de literatura no primário eu já inventava mundos imaginários e me sentia encantado por filmes e literatura. Eu cresci vendo filmes sobre mundos fantásticos e universos criados, e isso me inspirou a ser escritor. Eu diria que eu cresci assistindo Sessão da Tarde na Globo (haha), isto quando não estava trabalhando com minha mãe no pequeno mercado que ela tem.

Eu moro em Goiânia, capital de Goiás, mas nasci no interiorzão de Goiás mesmo, Caçu, uma cidade de menos de 15 mil habitantes, muito pequena, sério, dá para percorrer toda a cidade a pé. Eu já levei minha namorada lá, ela foi criada numa cidade pequena, mas não tão pequena quanto Caçu. Ela vive me falando que do centro da cidade dá pra enxergar as quatro saídas da cidade, para qualquer lugar que você olhe, você consegue enxergar o limite da cidade, é muito pequena. Então sou do interior, não tenho vergonha de assumir. Mudei para Goiânia para estudar, mas sou de uma cidade muito pequena.

O meu primeiro livro surgiu de uma ideia que estava na minha cabeça há anos, mas nunca havia sido transcrita para o papel. O Selo de Bartholomeu fala de universos paralelos, algo que sempre me fascinou. Como nerd, sempre li bastante sobre ciência e tecnológica, e nos últimos anos algo que sempre me chamou a atenção foi físicos renomados como Stephen Hawking, Neil DeGrasse Tyson e outros, publicando a respeito da possibilidade de um multiverso. Isso é retratado em quadrinhos, filmes, livros e na obra de H. P. Lovecraft, um autor de ficção muito conhecido e importante para a literatura mundial.

É interessante ver uma ideia que antes era só tratada na ficção, ser discutida por cientistas sérios como uma real possibilidade. Juntando isso a uma imaginação fértil e vontade de debates temas como solidão na juventude, bullying e preconceitos, disso saiu O Selo de Bartholomeu. A escrita sempre foi uma forma de escape da realidade e eu coloquei todas as minhas frustrações e desejos nesse mundo imaginário, criando uma história que vai além da fantasia, mas também conta minha maneira de enxergar o mundo e os problemas de ser um jovem num mundo tão estranho e sombrio quanto o nosso.

penny kick asss

Acredito que a pior parte da escrita é o medo da rejeição, medo de não ser bom suficiente. Além disso, quando se tem que dividir a escrita com outros afazeres, você acaba encontrando dificuldades. Por exemplo, não tenho a possibilidade de viver só de escrita, e como muitas pessoas fui obrigado a escolher uma faculdade muito cedo, com apenas 17 anos. Desde cedo somos obrigados a “ser alguém na vida”, “decidir a profissão que vai definir seu futuro”, “ganhar dinheiro”, não morrer de fome, etc haha.

gato emprego

Esse foi o meu maior problema, sempre desejei ser escritor, mas a escrita ainda não é tida como uma profissão pela sociedade e pelos meus pais, logo, tive que adiar meu sonho por um tempo. Fiz graduação e mestrado, hoje dou aulas de inglês e estou tentando buscar uma profissão que me traga estabilidade financeira e felicidade, ainda não encontrei, mas estou buscando. No meio disso tudo, quando estava terminando a graduação, após ser recusado no estágio pela terceira vez seguida (porque para você conseguir um primeiro estágio ou primeiro emprego, é necessário ter experiência, mas não há como adquirir experiência se eles não te dão a primeira oportunidade, aquela velha história: é preciso ter experiência para adquirir experiência) e eu decidi utilizar toda minha frustração e sentimento para descarregar sobre as primeiras páginas do que viria a ser meu primeiro livro.

emprego para ter experiencia

Então, a maior dificuldade não foi relacionada a escrita em si, mas ao fato de que eu precisei de uma faculdade e de um emprego, e por isso tive de adiar meu sonho por bastante tempo e lutei contra toda negatividade e falta de apoio para produzir meu sonho.

Somente agora no final de 2017 que consegui fechar contrato com a Editora PenDragon. Meu livro começou a ser escrito no final de 2013, ou seja, cerca de 4 anos. Demorou por volta de 1 ano e meio para escrita do livro por inteiro e desde então, realizo correções, revisões, já mudei capítulos de local, exclui partes inteira, re-escrevi dezenas de vezes e modifiquei bastante.

Eu diria que a primeira versão do livro corresponde a 40% do que o livro é hoje. Agora quanto a achar editora, esta foi a parte mais frustrante ao longo dos anos. Logo no final de 2015, já havia enviado para várias, algumas respondem, outras simplesmente ignoram, mas sempre com uma resposta negativa. Acho que a pior parte é ser ignorado, quando você manda um e-mail para um editor e ele ou ela simplesmente te ignoram, fica aquele sentimento ruim de frustração.

jin carrey tiping

No final de 2015, consegui contratar o serviço de leitura crítica de uma agente literária. Juntei todo o dinheiro que tinha, não era muito caro, mas para um universitário desempregado sustentado pelos pais, qualquer gasto é uma facada. O serviço era somente de análise do livro, sem nenhum compromisso de agenciamento.

Recebi o relatório com críticas bastante positivas, mas não houve nenhuma manifestação de vontade de agenciar e ficou por isso mesmo. Quase desistindo da escrita, no começo de 2016, resolvi fazer um curso de escrita criativa e melhorei bastante em diversos aspectos, pude modificar bastante meu estilo e minha percepção do que era a escrita. Na época eu estava no mestrado, e de novo, sobrevivendo com bolsa de mestrado da CAPES, um valor que mal da pra pagar as contas, tendo que fazer racionamento todos os meses e ainda sim contar com a ajuda dos meus pais, consegui juntar um dinheirinho e pagar esse curso. Eu sempre fui um pouco mão de vaca, mas quando se trata de educação, algo que venha a agregar, ou pra investir no meu sonho, que é ser escritor, ai eu abria mão do meu suado dinheiro um pouco.

Por algum milagre, justamente quando terminei meu curso, a agente que havia feito a leitura crítica há muito tempo atrás, entra em contato comigo pedindo para enviar meu livro para uma editora e eu aceitei de imediato, fiquei com bastante esperança. Após meses esperando uma resposta, resolvi mandar uma mensagem para a agente para verificar o status, pois eu esperava que ela fosse entrar em contato para informar tanto de uma resposta negativa quanto positiva. Esta agente me informou que já havia recebido a resposta negativa há meses e simplesmente havia se esquecido de me informar.

Esta situação me frustrou bastante quanto ao profissionalismo da mesma e cheguei a pensar em desistir da escrita e abandonar de vez o sonho. O problema não havia sido a resposta negativa, mas sim o “esquecimento” e mínimo de consideração em me informar acerca da resposta. Mesmo pensando em desistir, no começo de 2017 resolvi mandar para outra agência, para tentar ser agenciado. Eles foram bastante profissionais, fizeram a leitura crítica e deram uma resposta muito boa, mas não quiseram agenciar. Foi basicamente isso em todos esses anos, participando de concursos literários, mandando para editoras e agências, sempre recebendo respostas boas e críticas positivas, mas nunca conseguindo de fato a publicação. Nem lembro de quantos concursos literários fiz na vida, participei do concurso SESC de Literatura, da Amazon, eu fiz um outro da Editora Record, o selo Galera Record, e vários outros, incontáveis concursos e editoras.

O importante é, que finalmente o meu livro será publicado em julho de 2018. Não consigo descrever a felicidade que senti na hora que recebi o e-mail da editora. Foi como um ponto de virada na minha vida, como se todo aquele esforço, todas as decepções, respostas negativas e sentimento de derrota tivesse valido pra algo. Eu sei que agora começa uma nova jornada, não basta só publicar, agora tenho que conquistar o público e se tudo der certo, publicar a continuação da história.

Agora a partir de janeiro, tentarei toda semana postar algo para ajudar escritores e escritoras iguais a mim, quebrados, “fudidos”, que não tem como viver da escrita, que tem que estudar, trabalhar, e batalham para realizar seus sonhos, mesmo indo contra tudo e contra todos, e contra a desmotivação de amigos e familiares. O meu livro está disponível no wattpad se vocês quiserem ler e também nesse site. Eu espero do fundo do coração que vocês leiam e me digam o que acharam, se comprariam quando lançar na versão física, o que vocês gostaram, o que não gostaram. Estou muito aberto a críticas, todo mundo tem direito a opinião, não vou ficar chateado se alguém não gostar, é direito de todo mundo o de gostar e não gostar. Se criticarem, mantendo o respeito e sem utilizar xingamentos, preconceitos, essas coisas, tentarei do fundo do coração responder a todos.

Mas o que tem de tão especial em o Selo de Bartholomeu?

O Selo de Bartholomeu - capa face rascunho

Eu sei que geralmente, como autor, sempre vou puxar a sardinha para meu livro, se você é escritor, se você é escritora, ou deseja ser no futuro próximo, vocês sabem que nós somos os fãs número 1 de nossos livros. Eu vou tentar falar um pouco do livro, sem spoiler, mas tentar demonstrar porque sou tão apaixonado por esta história e se você se interessar, ficarei muito feliz se vocês decidirem se tornar leitores ou leitoras desta obra que consumiu 4 anos aí da minha vida. Como eu disse, estou muito aberto a críticas, eu citei os autores que me inspiro e não tenho nenhuma ilusão de que chego aos pés destes grandes da literatura. Ainda tenho que aprender muito, mas muito mesmo, para sequer chegar aos pés destes imortais da literatura. Tenho certeza que alguém pode encontrar falhas, furos, isso é normal, ainda estou aprendendo, seria muita arrogância da minha parte acreditar que meu livro é perfeito. Não é, mas ele é pra mim, sabe. Que nem uma mãe que acha o filho ou filha o ser mais bonito do mundo, vou tentar transmitir essa emoção para vocês.

Então, vamos lá.

A ideia de universos paralelos sempre me fascinou e eu sempre fui fã daquela frase do autor de ficção, Arthur C. Clarke:

qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistingüível de magia.

Logo eu pensei em como conciliar um mundo de universos paralelos com uma ficção de fantasia, já que sempre fui apaixonado pelos livros de alta fantasia, cresci lendo Tolkien, C. S. Lewis, sou muito fã de Harry Potter, todo e qualquer livro que retrate um mundo imaginário e fantástico.

universos-paralelos

Qual seria a premissa básica do meu livro?

Anthony ou Tom, o protagonista, é um nerd, vive com seus pais e seus irmãos, ele é o irmão mais velho, o mais responsável, ao contrário do irmão mais novo que é mais social, popular e tal. Tom sofre bullying quando criança né, eu tentei inserir problemas normais da juventude, para ir além da fantasia, tentar mostrar problemas naturais de como é crescer sendo um estranho, poucos amigos, nerd que gosta de construir robôs, pouca habilidade social, com um grupo de amigos limitado, sofre bullying, preconceito, um pouco de xenofobia pela mãe ser latina e ele ter nascido em um país que não aceita muito bem latinos. Essa é a vida dele, uma vida cheia de adversidades, mas nada que fuja da normalidade, nada fantástico.

nerds

A parte mágica começa após ele e seus amigos presenciarem a queda de um pequeno meteorito durante um acampamento. Seus amigos que são 3, Leo, Natasha e Júlia, resolvem fazer uma pequena excursão para se despedir de Tom que foi aceito na universidade e vai fazer astrofísica, ele é tão nerd quanto eu pintei mesmo.

Neste acampamento eles presenciam a queda de um meteorito e desta rocha eles extraem o que viria a ser pequenas pedras para fazer colares para os quatro amigos. Esse colar é bastante especial e simbólico, pois representa muito a magia no mundo novo de Tom.

estrela-cadente

E desde a queda deste objeto dos céus, desta suposta estrela cadente, Tom começa a ter sonhos vividos, muito vividos, capazes de machucá-lo e ter conseqüências reais para seu corpo enquanto ele dorme. Este mundo dos sonhos, ou segundo mundo, segunda terra, não tem um nome específico. Eu quis deixar em aberto, não nomear logo de cara esta segunda terra e recair no clichê de querer ser grandioso demais, começar tentando ser o novo Tolkien, sabe? Fazer mapas, criar uma nova língua, e pensar: esse livro vai ser o próximo senhor dos anéis. Eu tentei ser o mais humilde e simples possível, já que sou iniciante, por que não começar de forma pequena, simples, construir esse mundo aos poucos e não ter ilusões de grandeza.

Neste novo universo, Tom acorda em uma prisão, onde ele é torturado e sofre uma verdadeira inquisição porque os torturadores querem saber informações sobre uma vila que havia sido destruída. Ele não faz ideia do que está acontecendo. Tom encontra nesta prisão, dois amigos e companheiros, um deles é Marco, um cara bastante esquisito com uma marca enorme no rosto, uma cicatriz e se autointitula rei dos ladrões, e outro amigo, um homem monstruoso de mais de 2 metros de altura, um verdadeiro gigante.

Juntos eles eventualmente escapam desta prisão (SPOILER ALERT), e todos estes acontecimentos ocorrem ao mesmo tempo que sua vida, a chamada vida real passa por uma série de atribulações. Grandes desventuras acontecem em sua família, que tornam sua vida um inferno e ele mergulha cada vez mais neste sonho, que cada vez mais se torna sua verdadeira realidade. Eventos que mudam sua vida por completo, tragédias familiares, financeiras e ele tem que abrir mão da faculdade, etc.

Neste mundo que ele mergulha cada vez mais, a medida que sua vida vai virando uma merda,, há quimeras, nefilins, um imperador que proibiu a leitura e governa com mãos de ferro, ele se junta a umas guerreiras para poder romper os selos da fênix e cumprir uma profecia bastante dúbia. Alguns acreditam numa profecia que fala que ele será o salvador, já outros interpretam a profecia como se ele fosse o destruidor.

Eu tentei fugir bastante do estereótipo de profecia do salvador e adicionei a dúvida se ele realmente é o salvador para apimentar um pouco a história e deixar até o personagem na dúvida. Ele não é 100% certo, comete alguns erros e não tem aquelas características de santo que sempre colocam em heróis, a ideia é realmente tentar fugir dos clichês. Ele não é o herói perfeito, com características maravilhosas, o justo, o sábio, corajoso, leal, etc. ele tem defeitos como qualquer pessoa, como qualquer ser humano, não há preto e branco nesta história.

Algo interessante e que segue bastante nossos tempos atuais, a nossa realidade, todas personagens femininas não se equiparam nenhuma vez a donzelas em perigo, aquele velho clichê de garota que é salva pelo protagonista e se apaixona sem nenhum motivo aparente. Todas elas são guerreiras, lutam, batem e botam pra quebrar, em nenhum momento, o protagonista chega a salvar uma delas, na verdade ele sempre é salvo por elas.

xenagal gadot

Eu tentei ao máximo mostrar um mundo que se assemelha ao nosso, mostrando os problemas sociais que enfrentamos hoje em dia, só que com o elemento fantástico, criaturas fantásticas, nefilins, harpias, feiticeiras, guerreiros gigantes, um imperador, o antagonista da história que fará de tudo para impedir que Tom cumpra a tal profecia.

Tem tudo que uma história de fantasia tem e que o público gosta, a jornada do herói, apesar de o herói não ser o típico clichê de herói. Espero que as pessoas realmente gostem, ou se interessem pela história e leiam, sintam prazer em ler e queiram mais.

Então se você gosta da ideia de universos paralelos, de portais para outras dimensões, Titans aprisionados em uma prisão celeste, nefilins, quimeras, harpias, bruxas e um antagonista que pouco se sabe, espero profundamente que este enredo lhes atraia.

Tentarei postar podcasts, vídeos e textos toda semana, para ajudar escritores e escritoras iguais a mim, e um pouco para divulgar minha obra. Eu passei por tantos problemas, tantas decepções, e tive tanta dificuldade na escrita, procurando editoras, tentando divulgar minha obra, cometi diversos erros e sei que isso é comum. Vou tentar através desses posts, podcasts e publicações contar como foi minha história, narrar um pouco dos meus erros, para tentar ajudar quem está ai tentando ser escritor e escritora, passei por tantos problemas que queria ajudar aqueles que tem o mesmo sonho que eu, a no mínimo evitar os erros que cometi.

Não que eu me considere o especialista e que tudo que eu falar é lei. Não, de forma alguma, sei que não sei de nada. (Sou o Jon Snow aqui). Mas vou tentar ajudar na medida do possível. É isso aí galera, espero que vocês tenham gostado, tenham se interessado, fiquem atentos que continuarei postando nesta página toda semana, dicas sobre escrita, sobre o processo de escrever, como abordar uma editora, como escolher agentes literários, tudo que vocês quiserem saber sobre como é escrever o primeiro livro. Se vocês tiverem sugestões de temas, ficarei muito feliz em ouvir e críticas são sempre bem-vindas, estarei bastante atento às críticas de todos, desde que sejam feitas de forma construtiva e respeitosa, estou de braços abertos para falar com todos. Até mais, abraços.



Tem alguma sugestão? Acredita que faltou algo no texto ou  que eu poderia melhorar? Estou aberto a sugestões e a perguntas, ficaria muito feliz em respondê-los.

Se você gostou, curta, compartilhe, deixe seu comentário e siga a Página no Face. O Selo de Bartholomeu pode ser lido de graça no WATTPAD.

Até mais pessoal, toda quinta tenho um texto novo para vocês.

facebook logoinstagram logotwitter logowattpad

No Comments Yet.

Leave a comment